7.2.10

coisa de gente grande, ou quase



'Era uma vez o Ernesto, um menino que gostava muito de (chatear) as meninas e principalmente a Salomé.
Era uma vez a Salomé, a menina que foi contar à mãe tudo o que o Ernesto lhe tinha feito. Tudo: puxado o cabelo, agarrado o capuz, arrancado os óculos, de próposito. Então a mãe disse-lhe que o Ernesto com certeza queria brincar com ela, mas que não sabia como pedir-lhe. A mãe disse-lhe ainda que talvez o Ernesto estivesse apaixonado pela Salomé...

No recreio, a Paula perguntou:
- Apaixonado pela Salomé! O que é isso? Apaixonado?
Mas a Salomé também não sabia o que era isso, a-apai-xo-na-do.
O que o Abel sabia era que se podia cair, cair de paixão por alguém.
A Salomé já tinha caído muitas vezes de bicicleta, mas de paixão, nunca!
- Os apaixonados só existem nos contos!- afirmou o Guilherme.
- Pois é!
- Com príncipes e princesas.
- Com roupas lindas?
- E com espadas?
- Com reis e rainhas?
- E dragões!
- Então os apaixonados não existem? - perguntou a Salomé.
A Justina acha que estamos apaixonados quando nos sentimos tristes ou muito tímidos e sobretudo quando coramos muito.
- Quando ficamos hipnotizados! - exclamou.
A Salomé concluiu que enlouquecemos um pouco quando estamos apaixonados!
A pequena Ana já tinha ouvido falar de paixão, uma espécie de raio que nos atinge.
- Um raio de fogo!
- E queima?
- É como um relâmpago!
- É uma trovoada!
- Mas afinal chove?
Então a Salomé pensou que era melhor ter um guarda-chuva para estar apaixonado!
Mas o Aristides disse que estar apaixonado está no coração.
- Quer dizer que sentimos uma dor no coração?
- Que dá febre?
- E que nos tira as forças?
- Ficamos doentes?
- Como é cansativo estar apaixonado! - suspirou a Salomé.'





[Rebecca Dautremer, in Apaixonados]

.

9 comentários:

  1. Ai, Van...

    que coisa mais fofa desse mundo,
    esse negócio doído e doido chamado paixão,visto assim, inocentemente, e precavidamente pelos olhos de criança.
    Sabe?...tenho medo da paixão, acho que vou brincar aí com essa turminha da Salomé.

    Quer vir?

    Beijo

    ResponderExcluir
  2. Oi moça linda da caixa magica...
    Lendo esta história me vejo nela não sei poqueee; rsrsrsr....
    Acho q me envolvi cedo demais nesta tal de paixão espero um dia crescer...
    Mas desde já vou comprar um guarda chuva e ai quem sabe viver uma, ou inventar outra q ñ me deixe machucado ou melhor confuso pela vida..

    Bjão ..Ameeeeeeiiiii!!!

    ResponderExcluir
  3. Nossa, achei a coisa mais meiga esse conto!
    Como tudo nesse espaço maravilhoso aqui, não é mesmo?!
    Aliás, o blog me traz um pouco de paixão, essa leveza que faz a gente voar estacionado aqui no chão.
    Adoro tudo aqui, não canso de dizer!

    ResponderExcluir
  4. Cansa mesmo... E é tão bom esse cansasso :)

    ResponderExcluir
  5. E como cansa!
    Mas enquanto não cansa, é tão linda esse raio, esse trovão e quando chove, então!?

    ResponderExcluir
  6. arrebatadora, esse é o outro nome da paixão.
    que delícia de texto, van!


    beijos.

    ResponderExcluir
  7. Encontrei seu blog na menina dos olhos de mel. Adorei. Suas palavras expressam formas leves. Doces, sensiveis.

    Seguindo-te.

    Um bejo e boa semana!

    ResponderExcluir
  8. cansa, ô se cansa. mas é um dos melhores cansaços do mundo... :-)

    ResponderExcluir
  9. Menina esperta essa Salomé!!
    Ela concluiu muito cedo o que a maioria de nós sofre pra aprender!!!!


    Beeeeeiiijos*)

    ResponderExcluir